Anuncio
Cultura

Governador W.Dias inaugura Beco Cultural em Luzilândia

O antigo beco da Camisinha, ou beco da matança, como era conhecido por muitos populares, hoje é símbolo da cultura local.

10/10/2021 09h47Atualizado há 2 semanas
Por: Edição Paula Andréas
104
Foto: Assessoria
Foto: Assessoria

O governador Wellington Dias esteve na região norte na ultima sexta-feira (08) inaugurando e autorizando diversas obras. Em Luzilândia, entre outras obras, foi inaugurado o Beco Cultural, um espaço que surgiu a partir do diálogo com artistas, grafiteiros e a prefeita Fernanda Marques que abraçou o projeto e, a partir da parceria com a Coordenadoria da Juventude do Estado, colocou a ideia em prática. 

O antigo beco da Camisinha, ou beco da matança, como era conhecido por muitos populares, hoje é símbolo da cultura local. Abandonado, cheio de mato, quase intransitável, hoje o local está revitalizado, recebeu iluminação, nova estrutura com bancos, asfalto e pinturas dos artistas da terra e outros convidados. A ideia da atual gestão é transformar o local em um espaço de cultura e encontro da juventude com a realização de feirinhas, apresentação musical, espaço de atividades físicas entre outras intervenções.

Foto Moises Saba

A ideia do espaço surgiu após a oficina de grafite realizada pela Coordenadoria da Juventude do Estado do Piauí (Cojuv) em parceria com o Conselho Municipal de Juventude de Luzilândia. Desta atividade, também participaram jovens do assentamento Palmares. O  espaço do município de Luzilândia destinado às juventudes e comunidade em geral para a realização de diversas atividades, como prática de skate, ciclismo, patinação, exposições de artesanato, feiras culturais e gastronomia. 

Tudo isso para transformar um local que estava subutilizado em um verdadeiro mural a céu aberto com pinturas que mostram a identidade da cidade, além de homenagear pessoas que ajudaram a construir a história de Luzilândia. Depois da reforma do espaço os artistas visuais realizaram uma intervenção com painéis de grafite no espaço, com diversas representações, como caricaturas e personas. Dentre estes artistas, esteve a professora de grafite e técnica da Cojuv, Maria Simone.

Para Paulo César, artista visual de Luzilândia, participar do evento foi de suma importância, foi mais um degrau na sua carreira. E ele esclarece que a interação com outros artistas gerou trocas de experiências e aprendizados técnicos, pois para muitos o grafite foi uma inovação na cidade e ensinou muito sobre a Cultura Hip Hop. “Para mim o grafite veio para somar, para preencher uma lacuna de aprendizado. E acredito que a minha obra será uma das peças mais importantes que já fiz, pois todo artista tem a meta de deixar um legado, uma proposta. Porque a minha obra de arte vai representar muito a cidade já que eu fiz a igreja matriz, a igreja de Santa Luzia. De fato, fiquei muito emocionado com o trabalho realizado.” Paulo César

Maria Simone completa dizendo que o intuito com esse trabalho é mostrar para a sociedade um pouco sobre a cultura do grafite, do hip hop e arte de rua. A ideia é quebrar o preconceito de achar que grafiteiro é marginalizado. Depois dessa oficina os próprios artistas pediram um espaço para eles conversarem e dialogarem.

Fonte: Com informações do Governo do Piauí e Geleia Total.