Anuncio
Uso recreativo

Uso recreativo de maconha é problema de polícia e Congresso, diz presidente da Anvisa

Em junho, a Anvisa colocou em consulta pública duas propostas sobre o tema: uma com regras para o plantio por empresas e outra para registro de medicamentos que podem ser gerados neste processo.

31/07/2019 16h27
Por: Edição Paula Andréas
Fonte: Folhapress
40

Acusado pelo ministro da Cidadania, Osmar Terra, de tentar "legalizar a maconha no Brasil", o diretor-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), William Dib, negou nesta quarta-feira (31) que a proposta de liberar o plantio de Cannabis possa levar ao uso recreativo da droga.

"Se vai ser liberada a Cannabis, isso é problema policial, de Estado, do Congresso. Não é problema da agência. A agência não pode discutir isso", afirmou.

Segundo Dib, o objetivo da proposta hoje em discussão é aumentar o acesso e o controle de medicamentos à base de derivados da Cannabis, como o canabidiol. Ele nega que a medida traga riscos à saúde da população. 

"O uso de drogas tem efeitos deletérios sobre a saúde física e psíquica. Mas não há nenhum tipo de risco sanitário do uso de Cannabis medicinal via oral do jeito que as apresentações estão propostas na consulta pública."

Em junho, a Anvisa colocou em consulta pública duas propostas sobre o tema: uma com regras para o plantio por empresas e outra para registro de medicamentos que podem ser gerados neste processo. 

A medida, porém, tem sido alvo de embates crescentes com o governo. Em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta quarta, o ministro da Cidadania, Osmar Terra, disse que a iniciativa da agência não tem precedentes no mundo e classificou a proposta como "um primeiro passo para legalizar a maconha no Brasil".

Para Dib, as críticas não dizem respeito à agência. "Não posso responder perguntas que não dizem respeito à Anvisa. Posso responder sobre medicamento e sobre tratamento. Não posso responder sobre uso recreativo de droga. Isso é um problema de Estado, de segurança, e não nosso", afirmou.

Segundo ele, o pedido do ministro para que a agência "acabe" com a proposta não deve ser atendido. "Ele [Terra] já falou comigo uma vez sobre isso. Não vejo viabilidade. Estou cumprindo um processo legal", completa.

Atualmente, o plantio de Cannabis é vetado no Brasil. Desde 2006, porém, a lei 11.343 prevê a possibilidade de que a União autorize o cultivo "para fins medicinais e científicos, em local e prazo predeterminados, mediante fiscalização" –daí a proposta de regulamentação, afirma.

Uma audiência pública para coletar sugestões sobre a proposta ocorre nesta quarta-feira. Segundo Dib, a expectativa dos diretores é ter uma proposta final até outubro deste ano.

Para o diretor, a proposta visa atender a pedidos dos pacientes.  Desde 2015, a Anvisa autoriza pedidos para importação de óleos e medicamentos à base principalmente de canabidiol –substância da maconha que tem alguns efeitos terapêuticos e não é psicoativa, ou seja, não dá "barato".

Até junho, 6.789 pacientes já tinham obtido o aval para importar esses produtos. As doenças mais frequentemente tratadas são epilepsia, autismo, dor crônica, doença de Parkinson e alguns tipos de câncer.

Além disso, o país tem um medicamento registrado à base de Cannabis. Chamado de Mevatyl, ele é composto por THC e canadibiol e é indicado para tratamento de espasmos musculares nos casos de esclerose múltipla.


Fonte: Folhapress, por Natália Cancian

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Luzilândia - PI
Atualizado às 22h14
26°
Poucas nuvens Máxima: 36° - Mínima: 22°
27°

Sensação

18.3 km/h

Vento

70.4%

Umidade

Fonte: Climatempo
Dr. Saboia
Blogs e colunas
Portal da beleza acessórios
Últimas notícias
dia dos pais max magazine
Mais lidas
Ponto do Açaí
Kurica