Segunda, 18 de fevereiro de 2019
86 99956-1389
Piauí

31/01/2019 ás 22h03

73

Edição Paula Andréas

Luzilândia / PI

Piauiense continua desaparecido em Brumadinho; subiu para 110 os mortos
A mulher do piauiense está em Belo Horizonte acompanhando as buscas.
Piauiense continua desaparecido em Brumadinho; subiu para 110 os mortos

O Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil de Minas Gerais divulgaram na noite desta sexta-feira (31) que chegou a 110 o número de mortes no rompimento da barragem em Brumadinho. A tragédia deixou ainda 238 desaparecidos e 108 desabrigados e desalojados. Entre os desaparecidos está o piauiense Edson Rodrigues dos Santos, 45 anos.


Edson, que é natural de Guadalupe, trabalhava em Brumadinho há três meses e estaria em uma mina da Vale. A mulher do piauiense está em Belo Horizonte acompanhando as buscas.


O irmão de Edson, Francisco Rodrigues, informou ao Cidadeverde.com que a família no Piauí faz orações e acompanha com apreensão.


"Está na mão de Deus. A empresa nos passou mais telefones para qualquer contato, está nos dando todo apoio, mas queremos nosso irmão. Nenhum corpo do IML foi identificado como sendo dele", disse. 


A barragem que se rompeu tinha cerca de 13 milhões de m³ de rejeitos, que foram despejados sobre a região do Córrego do Feijão, atingindo a área administrativa da empresa, a comunidade da Vila Ferteco e a pousada Nova Estância. A onda de rejeitos chegou até o Rio Paraopeba, a cerca de 8 km da barragem, e começou a se mover em direção ao Rio São Francisco.


Desde o rompimento da barragem, na sexta-feira, 25, os bombeiros fazem buscas por vítimas em meio à lama que se espalhou pela região. Cães farejadores ajudam na localização de corpos. Nesta quinta-feira, 31, as buscas chegaram a ser suspensas para garantir a segurança dos militares envolvidos nas operações. O motivo foi a previsão de tempestades na região de Brumadinho. 



Foto: Flavio Tavares/Hoje em Dia/Folhapress


Punições


Cinco pessoas - dois engenheiros da empresa alemã TÜV SUD, que atestou a estabilidade da barragem, e três funcionários da Vale que estariam envolvidos diretamente no licenciamento da barragem - foram presos na terça-feira, 27. A Justiça decretou a prisão temporária por 30 dias por suspeita de homicídio qualificado, crime ambiental e falsidade ideológica.



A barragem 1, que se rompeu, é uma estrutura de porte médio para a contenção de rejeitos e estava desativada. Seu risco era avaliado como baixo, mas o dano potencial em caso de acidente era alto.


Pelos números 0800 285 7000 (Alô Ferrovia - prioritário) e 0800 821 5000 (Ouvidoria da Vale), a mineradora está recebendo informações sobre sobreviventes encontrados e desaparecidos, além de solicitações de apoio emergencial (abrigo, água, cesta básica, roupa, medicamento, transporte etc.). As autoridades, no entanto, pedem cautela nos contatos. Segundo o tenente Aihara, do Corpo de Bombeiros, ligações com informações falsas têm atrapalhado e atrasado o trabalho das equipes de buscas.


Fonte: CidadeVerde

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium