Segunda, 18 de fevereiro de 2019
86 99956-1389
Entretenimento

23/01/2019 ás 09h04

31

Edição Paula Andréas

Luzilândia / PI

Caetano e Daniela Mercury atacam a censura em novo axé de Carnaval
O mote da proibição da folia surgiu há quatro anos, mas a letra ganhou corpo depois dos vetos e protestos ultraconservadores contra exposições e performances no país.
Caetano e Daniela Mercury atacam a censura em novo axé de Carnaval

Uma reação carnavalesca à censura das artes reuniu em estúdio, pela primeira vez, o compositor Caetano Veloso e a cantora Daniela Mercury, em Salvador. "Tá proibido o Carnaval/ Nesse país tropical", diz o refrão da música "Proibido o Carnaval", composta pela rainha do axé.


O mote da proibição da folia surgiu há quatro anos, mas a letra ganhou corpo depois dos vetos e protestos ultraconservadores contra exposições e performances no país.


"Abra a porta desse armário/ Que não tem censura pra me segurar/ Abra a porta desse armário/ Que alegria cura/ Venha me beijar", cantam os artistas que marcaram a história do Carnaval da Bahia. A faixa de três minutos e 53 segundos será lançada na próxima sexta-feira (25).


Este repórter acompanhou três horas de gravações do clipe de Caetano e Daniela no Fera Palace Hotel, no centro de Salvador, nesta semana.
A produção mobilizou 14 bailarinos e 12 modelos para integrar canto e dança, dentro do estilo dos desfiles da cantora nos trios elétricos. Em 1992, o clipe de "Você não Entende Nada", composição do tropicalista, celebrou o primeiro encontro audiovisual da dupla.


"Daniela é uma figura que foi sempre reinventora do fenômeno que é o Carnaval de rua da Bahia. Ela segue em frente, criando coisas. Eu gosto muito de 'Rainha Má', mas essa nova é uma canção que tem uma vitalidade propriamente carnavalesca. Ela tem a alma da marchinha de Carnaval, com o poder satírico, mas, ao mesmo tempo, livre da própria sátira que faz. É carnaval, mesmo", disse Caetano, em temporada de veraneio.



"Evidentemente, é uma reação, uma resposta à tendência censora dos poderes brasileiros hoje. Isso é interessante. Na história das marchas de Carnaval, o comentário político ou social sempre houve. Nesse caso é muito autenticamente feito do jeito carnavalesco de tratar essas coisas. Achei que é uma grande música de carnaval, que reafirma a posição histórica de Daniela", completou.
Às 20h30, Daniela entrou em seu quarto e espalhou na cama as alternativas de figurino. "A ideia é fazer uma homenagem bem ousada aos Dzi Croquettes", avisou a Caetano. Ela recordou então as aulas de dança com Lennie Dale, coreógrafo do grupo contracultural, e a colaboração de Cláudio Tovar com as suas fantasias carnavalescas.


"Vou pôr seu marido nu numa banheira com bolas cor-de-rosa", brincou com Paula Lavigne. "Você quer que o Carnaval seja proibido mesmo, né?", sorriu a produtora. Por fim, Caetano escolheu uma casaca com gola de paetês e enlaçou uma gravata rosa.


"Bolsonaro é a consequência dessa sensação nossa de que a gente tem que resolver as coisas de forma imediatista, que é alguém que vai salvar a gente e não a democracia", comentou Daniela, enquanto estava fora de cena. "As coisas estão acontecendo. É uma tentativa de proibir o que não pode ser proibido, o que a gente lutou tanto para libertar."


A cantora convocou a voz de Caetano por associar a canção anticensura à tropicália. "O axé é encarnação do desejo tropicalista de liberdade, democracia e brasilidade", explicou. "Essa letra foi feita agora. Só a ideia de que está proibido o carnaval é antiga e gerou a 'Rainha Má' [em 2015]. Quem proibiu o Carnaval foi a Rainha Má, meu alter ego."


De última hora, ela mencionou na letra a declaração da ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, de que "menino veste azul e menina veste rosa". Num dos versos, surge a pergunta: "Vai de rosa ou vai de azul?".
Com uma roupa multicolorida do estilista Amir Slama, ela opõe a alegria à opressão: "A rainha do axé puxa todo mundo para frente, celebra a negritude, celebra eu ser lésbica, sermos como somos. A canção fala por si. Eu brinco com o rosa e o azul para mostrar que não se pode ficar encarcerado numa caixinha".


Roteirizado por Daniela, dirigido por Jana Leite e com fotografia de Rodrigo Maia, além de contribuição nos bastidores da empresária e jornalista Malu Verçosa, mulher de Daniela, o clipe de "Proibido o Carnaval" não tem data de lançamento. Numa das cenas mais extrovertidas, Caetano brincou com bexigas numa banheira do hotel - mas sua nudez era apenas espiritual.


Fonte: Cláudio Leal, de Salvador (BA) / FolhaPress

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium