Sexta, 19 de outubro de 2018
86 99956-1389
Política

02/10/2018 ás 16h32

18

Edição Paula Andréas

Luzilândia / PI

Vice de Bolsonaro volta a criticar 13º e diz que com ele 'todos saímos prejudicados'
O general falou que a única possibilidade de mexer no 13º salário seria um "amplo acordo nacional para aumentar os salários".
Vice de Bolsonaro volta a criticar 13º e diz que com ele 'todos saímos prejudicados'

FOLHAPRESS) - O general Hamilton Mourão (PRTB), vice na chapa do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), voltou a criticar o 13º salário nesta terça-feira (2). "O 13º eu simplesmente disse que tem que ter planejamento, entendimento de que é um custo. Na realidade, se você for olhar, seu empregador te paga 1/12 a menos [por mês]. No final do ano, ele te devolve esse salário. E o governo, o que faz? Aumenta o imposto para pagar o meu. No final das contas, todos saímos prejudicados", disse o general no aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Ele ficará na cidade até quinta-feira (4), gravando propagandas eleitorais com candidatos do PRTB.


Em palestra no Rio Grande do Sul na semana passada, ele chamou o 13º de "jabuticaba brasileira", uma "mochila nas costas dos empresários" e "uma visão social com o chapéu dos outros".


Após sua primeira crítica ao 13º, Mourão foi duramente repreendido por Bolsonaro, que pediu que ele ficasse "quieto" porque estava "atrapalhando". O presidenciável escreveu em suas redes sociais que quem fala em mexer no salário comete "ofensa ao trabalhador" e "confessa desconhecer a Constituição".


"Se você recebesse seu salário condignamente, você economizaria e teria mais no final do ano. Essa é minha visão. Não pode acabar [o 13º]. O que eu mostrei é que tem que haver planejamento. Você vê empresa que fecha porque não tem como pagar. O governo tem que aumentar imposto, e agora já chegou no limite e não pode aumentar mais nem emitir títulos. Uma situação complicada", continuou Mourão nesta terça (2), destacando que o 13º é um dos "custos" que o Brasil precisa diminuir para ter competitividade internacionalmente. 


O general falou que a única possibilidade de mexer no 13º salário seria um "amplo acordo nacional para aumentar os salários".


"Tem governos estaduais que pagam atrasado. Não pode mudar [o 13º salário], está enraizado. Só se houvesse um amplo acordo nacional para aumentar os salários. Os salários são muito baixos, né? Você olha a nossa faixa salarial e ela é muito ruim", concluiu, sobre o tema.


Sobre a chamada de atenção ríspida que recebeu de Bolsonaro, o general atribuiu à "maneira dele de se expressar" e recorreu a uma expressão em inglês para dizer que não vê problemas: "I can live with that" ["posso viver com isso"].
O general ainda comemorou os números do Ibope divulgados na segunda-feira (1º), que mostraram crescimento de quatro pontos de Bolsonaro, que chegou a 31%, e estagnação de Fernando Haddad (PT), que se manteve nos 21%. Além disso, a pesquisa também mostrou crescimento de 11 pontos na rejeição do petista.


"Pessoal está se dando conta que não podemos aceitar a volta de todos os erros cometidos pelo PT. Estão caindo na real. A esquerda teve o seu momento e agora tem que deixar o outro lado chegar e tocar o país. É a necessidade de mudar o país, abraçarmos o liberalismo, termos abertura comercial e austeridade e moralidade, que não foi o que o outro lado mostrou", disse Mourão. 


Fonte: CidadeVerde

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium