Sexta, 22 de junho de 2018
86 99956-1389
Entretenimento

16/11/2017 ás 21h37 - atualizada em 28/03/2018 ás 16h04

248

Redação

Luzilândia / PI

Após um financiamento coletivo, brasileiras criam “calcinhas menstruais” sustentáveis
Motivadas pela falta de produtos do gênero no mercado brasileiro, Raíssa Kist, de 23 anos, Nicole Zagonel e Francieli Bittencourt, ambas com 25, criaram a marca Herself.
Após um financiamento coletivo, brasileiras criam “calcinhas menstruais” sustentáveis

Um trio de estudantes de engenharia química da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS) lançou uma nova marca de calcinhas menstruais, peças íntimas reutilizáveis que absorvem a menstruação.


Motivadas pela falta de produtos do gênero no mercado brasileiro, Raíssa Kist, de 23 anos, Nicole Zagonel e Francieli Bittencourt, ambas com 25, criaram a marca Herself a partir de um financiamento coletivo no final de 2016 pelo site Catarse, que superou a meta de arrecadação em 50%. Ao todo, mais de 340 pessoas ajudaram o grupo a arrecadar 46.000 reais.


Em março deste ano, o projeto se transformou em uma empresa e já tem como carro chefe dois modelos de calcinhas menstruais sustentáveis, que possuem três camadas de tecidos antimicrobianos e impermeáveis, impedindo o vazamento e a proliferação de bactérias – mais confortáveis que os absorventes convencionais.


“Entramos em contato com algumas mulheres para entender incômodos e como elas vivem a menstruação no dia a dia, e percebemos que havia uma busca por novas soluções nessa área. As mulheres não estavam satisfeitas com os absorventes, mas por comodismo e falta de opções, acabavam recorrendo a eles”, disse Raíssa em entrevista à BBC Brasil.


Desenvolvimento do projeto
A ideia surgiu enquanto as colegas participavam de um curso de capacitação sobre negócios socioambientais e decidiram estudar soluções sustentáveis para o mercado cosmético, que reduzissem o uso de descartáveis.


Com a repercussão nas redes sociais sobre a experiência positiva da nutricionista e apresentadora Bela Gil, que passou a utilizar uma calcinha menstrual importada dos Estados Unidos, as meninas perceberam que havia um forte sinal para esse nicho no Brasil.


Além disso, nos questionários que elas fizeram com o público-alvo, muitas mulheres relataram dificuldade em utilizar os coletores menstruais, copinhos de silicone de uso interno, outro método reutilizável que tem ganhado popularidade. As calcinhas viriam como uma alternativa para essas mulheres.


Outras marcas
Fora do país, já existem algumas marcas fabricantes de calcinhas menstruais impermeáveis. A marca Pantys chegou no país este ano e a Thinx, marca usada por Bela Gil, é vendida nos Estados Unidos.


Por enquanto, as três estudantes estão distribuindo as novas calcinhas como recompensa àquelas que contribuíram com o financiamento coletivo. Em dezembro deste ano, a marca lançará um site para a venda das calcinhas para o público geral.


A fabricação 100% brasileira é algo que as jovens pensaram em fazer desde o início do projeto, seja pela mão de obra e pela necessidade de adaptar o produto ao nosso clima. “Compramos os produtos do exterior para conhecê-los, mas lá fora o corte das calcinhas é mais largo e tem a cintura mais baixa, e o corpo [das estrangeiras] também é diferente. Pelo clima tropical do Brasil, a calcinha tinha que ser mais fininha e leve”, explicou Raíssa.


Fonte: Veja

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium